segunda-feira, 15 de junho de 2015

Rotatórias: parem os quatro!
            Hoje pela manhã, no bom-dia RN, foi entrevistado um pessoal do trânsito para prestar esclarecimentos a respeito das “Rotatórias”, ou “Rótulas”. A única coisa que se falou foi que “quem já está no círculo, dentro da rotatória, tem prioridade”. Mas não é tão simples e os motoristas em Natal não entendem bulhufas das tais rótulas.
            “PAREM OS QUATRO” (o STOP FOUR, como querem os inglesistas): Quando há o encontro de duas vias de mão dupla, como no caso da Bernardo Vieira com a Xavier da Silveira, faz-se um círculo na interseção e, em cada uma das quatro mãos, há um sinal de “dê a preferência” (aquele triângulo com as bordas vermelhas e o fundo branco, com o vértice apontando para baixo – R2). A rigor, pela interpretação literal da sinalização, os quatro veículos eram para ficar parados, cada qual dando a preferência ao outro e o trânsito ficaria eternamente (!) obstruído. Daí o termo STOP FOUR, que nas ruas de Americana, cidade do interior paulista, pintaram assim mesmo, em inglês, em letras garrafais, o que gerou a maior polêmica. O termo técnico é “interseção em círculo” (é uma placa amarela com setas pretas indicando o giro no sentido anti-horário – A-12).
            É importante saber que existem regras – que pouca gente conhece – para que o trânsito não fique paralisado, ou, o que é mais comum, avancem uns sobre os outros, de forma desordenada, caótica, provocando acidentes. No caso de rotatórias (Interseções em círculo, stop four), o veículo que estiver na rotatória, terá preferência sobre aqueles que intentam adentrá-la; Nas vias que apresentem o mesmo tipo de pavimentação e características geométricas, ou seja, de igual categoria, a preferência de cruzamento será do veículo que vier pela direita do condutor, tal preceito encontra-se exarado no CTB, Art. 29, Item III, alínea C e ainda pela CTV (Convenção do Trânsito Viário) de Viena e que popularmente é conhecido como a regra da mão direita.
            No cruzamento em discussão, quem trafega pela Xavier da Silveira no sentido norte (centro) se acha com irrefreável preferência e coitado de quem ousar seguir as regras, mesmo a mais elementar – que é o direito do veículo que já se encontra na rotatória – pois será literalmente abatido pelos ônibus com os seus motoristas enfurecidos.
            É importante também que as rotatórias sejam grandes, até com um pouco de agressividade arquitetônica, para que o indivíduo não pense que está na “preferencial”.
            A saída é que as regras sejam divulgadas nesses locais, verbalmente e através de impressos explicativos, durante um tempo suficiente para o aprendizado dos brutamontes, ou seja, permanentemente.
            Segue um exemplo bastante elucidativo:
Analisando o esquema de um cruzamento não sinalizado e aplicando a regra da mão direita, percebe-se claramente que B tem a preferência sobre A, por sua vez A tem a preferência sobre D, este sobre C, que por sua vez tem preferência sobre B.
Senhor redator-chefe, por achar de extrema importância, já que o número das rotativas têm aumentado exponencialmente, é importante dar destaque à divulgação dessas normas.
Grato, Armando Negreiros.