segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Um pouco da história da Barreira do Inferno/RN

.
Até hoje não temos notícias da edição de uma publicação alusiva aos 50 anos do Centro de Lançamento da Barreira do Inferno, situado nos municípios de Natal e Parnamirim.  Em 1995, foi publicada uma revista comemorativa aos 30 anos da Barreira do Inferno, sendo responsável pela  construção e instalação dos equipamentos, o Tenente Coronel Aviador Lauro Kluppel Júnior, de outubro de 1964 a março de 1966, conforme a revista “CLBI – 30 Anos na Conquista do Espaço!”, p. 70.

 Um Centro Cultural e Turístico, ao lado da estrada RN 063, na frente  da entrada da área militar, atrai milhares de pessoas de todo o Brasil para conhecer parte da história da aviação e da “corrida espacial” brasileira em território potiguar, através da exposição de aeronaves e foguetes.

Há necessidade de uma publicação sobre o avanço da tecnologia brasileira na fabricação de foguetes civis e veículos lançadores de satélites, os resultados das pesquisas na ionosfera, da educação espacial, o intercâmbio científico internacional, principalmente nos últimos 20 anos.

Foto: Google.
Além do editorial do então Cel. Av. Hideo Sato, a revista editada em 1995 trouxe artigos sobre  “Os primórdios da atividade espacial no Brasil”,de Hideo Sato;  “Política de ciência e tecnologia na Aeronáutica” , Sérgio X. Ferolla; MECB – Um desafio, Ajax Barros de Melo; “Foguete Sonda IV, Jayme Boscow; “A hora do reconhecimento”, Fábio V. de Souza;  “O veículo lançador de Satélite”, Tiago da Silva Ribeiro; “Sistemas Operacionais do CLBI”, Lúcio A. Cavalcante; “A trajetória do X-40”, José Marconi de A. Santos; “Cooperação com as forças armadas”, Alexandre Frederico G de Melo; “Tecnologia espacial a serviço do meio ambiente”, Márcio Barbosa; “Centro Cultural Espacial – uma aspiração”, Hideo Sato; “O Despertar de uma nova era”, Luiz Gylan Meira Filho; CSG/CLBI – 15 anos de sucesso Ariane”, Michel Mignot; SBTS – Participação do CLBI, Gustavo B. Gusmão ;  “A segurança nas atividades espaciais educativas, Basílio Baranoff; “Astronomia e sua reinclusão no currículo escolar, Diomar C. Lobão. Os artigos são de oficiais da Aeronáutica, engenheiros e professores e a edição foi dirigida pelo tem. Cel. Av. Miguel Márcio Duarte e o editor-chefe o sub-oficial Lúcio A. Cavalcante e assistente João Ribeiro. A revista ainda teve a colaboração de 19 pessoas, inclusive Adauto Gouveia Mota, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE e um dos pioneiros da TV Universitária da UFRN, nos anos 70 do século passado.