domingo, 5 de março de 2017

Chapas lutam por votos em Candelária. Netão estaria indeciso: é candidato ou se une com Marcus Vinicius?

A campanha já está nas ruas e redes sociais.

È verdade, a campanha pela direção do CONACAN - Conselho Comunitário de Candelária, já está dando os primeiros passos, isto é, os candidatos se articulam e querem apoios de todo mundo. A chapa "Filhos de  Candelária", que apregoa que quer "melhorias para Candelária", já teria formado o grupo necessário para disputar a eleição, cuja data não é conhecida. A direção do CONACAN, se é que ainda existe de fato, não publicou o edital para a formação da comissão eleitoral e outras exigências legais.
A "Transparência", de João Neto, o peso pesado da disputa que se aproxima, ainda não se definiu. Aí vem a pergunta: vai se registar ou não? Netão está na dele - já esperou 14 anos pelo pleito de 2017... O sociólogo e ex-padre Lucena é o consultor político-jurídico-eleitoral e guru dessa chapa, mas não vota, pois não reside no conjunto Candelária. Estou certo ou errado?
A previsão era que apoiaria a chapa dos "Pais de Candelária", ups, desculpe, foi engano. A chapa "Reviver Candelária", de Marcus Vinicius Pereira, continua trabalhando e não divulga a estratégia, programas, projetos e apoiadores. Lucena poderia participar das negociações em prol da união das duas chapas, como consultor psicológico, isto é, dá as dicas para planejar a campanha, dar conselhos. A propósito, Lucena, tem experiência, também, na área de cooperativismo, setor que prima pela unidade e integração com a comunidade.
Já a chapa Filhos de Candelária, na visão de Leonardo Bezerra, é apolítica, independente, não tem ligações com presidente ou ex-presidentes do CONACAN. Eu quero ver isso quando chegar na reta final da campanha. Vamos acompanhar a campanha. Nenhum cacique, coronel e/ou mago da política potiguar vai participar da campanha da chapa (e das chapas?)?

Neto (camisa azul) e o ex-padre Manoel Barbosa de Lucena  (de costas e camisa verde. seria bacurau?) trocando idéias na reunião realizada no Clube das Mães. Bacurau ou não, isso não interessa mais, os tempos são outros. Mas Lucena é dos tempos da criação do Sindicato dos Professores, nos anos 1980 e dos novos tempos da política "moderna". Digo, conheceu a política no tempo do autoritarismo e do Estado de Direito. Mas isso é outra história.
Vocês, candidatos de todas as chapas, aconselho a ler "O Príncipe", de Maquiavel.