sábado, 20 de maio de 2017

Titanic afundando?

Temer diz que gravação foi manipulada e que delatores 'quebraram o Brasil e ficaram ricos'

BBC de  Londres
  • Há 1 hora

TemerDireito de imagemREPRODUÇÃO
Image captionTemer em seu pronunciamento neste sábado

Em pronunciamento no Palácio do Planalto neste sábado, o presidente Michel Temer disse que a gravação de sua conversa com Joesley Batista, um dos donos da JBS, foi "manipulada e adulterada" com "objetivos nitidamenteE subterrâneos
Joesley gravou uma conversa que teve com Temer em março. No áudio, divulgado pelo STF na quinta-feira, eles mencionam uma pessoa chamada Eduardo, que seria o ex-deputado Eduardo Cunha.
Na conversa, Joesley fala de sua relação com "Eduardo". O empresário diz que "está de bem com Eduardo".
Ao que Temer responde "tem que manter isso, viu?"
"Incluída no inquérito sem a devida averiguação levou muitas pessoas ao engano induzido e trouxe grave crise ao Brasil", afirmou o presidente.
Mesmo que tenha sido modificado, ressaltou o peemedebista, no diálogo não haveria concordância com a compra de silêncio de Cunha.
"A conexão de uma sentença à outra não é a conexão de quem diz 'estou comprando o silêncio de um deputado'", disse sobre as palavras de Joesley.
Temer citou ainda os ganhos da JBS no mercado de câmbio, após a empresa comprar uma grande quantidade de dólares antes de a delação ser revelada. Com a grave crise política que se instarou no país, o real caiu e o dólar se valorizou.
"Graças a essa gravação fraudulenta e manipulada, especulou contra a moeda nacional. A notícia foi vazada seguramente por gente ligada ao grupo empresarial que antes de entregar a gravação comprou um bilhão de dólares", disse sobre Joesley Barista e outros executivos da JBS.
"Quebraram o Brasil e ficaram ricos", continuou.
O presidente disse também que está entrando com uma petição no Supremo para suspender o inquérito do qual é alvo "até que seja verificada a autenticidade da gravação".
Antes de terminar sua fala, Temer descartou a hipótese de renunciar ao cargo: "continuarei à frente do governo".
Após a delação ser divulgada pelo jornal, o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, autorizou um pedido da Procuradoria Geral da República, e com isso Temer passou à condição de investigado na operação.

Joesley BatistaDireito de imagemAGÊNCIA SENADO
Image captionJoesley Batista é o pivô de crise no governo

Investigação

No inquérito autorizado por Fachin, o presidente é suspeito dos crimes de corrupção passiva, obstrução de Justiça e organização criminosa, ao lado do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) e do deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), que foi assessor direto de Temer.
Na sexta-feira, o STF divulgou o conteúdo das delações premiadas dos empresários Joesley e Wesley Batista.
O grupo, que se tornou a maior empresa processadora de carne do mundo durante as gestões do PT no Planalto, é alvo de cinco operações da Polícia Federal, que investigam pagamento milionário de propinas a agentes públicos.
O conteúdo dos documentos voltou a colocar o presidente em situação delicada ao apresentar novos indícios de pagamento de propinas e campanhas via caixa 2.

Nenhum comentário:

Postar um comentário